quinta-feira, 24 de abril de 2014

' A liberdade de ser'


" A liberdade de ser"-
Esse tema está na minha cabeça hoje. E quando você está numa determinada sintonia certas coisas saltam aos olhos.
Eis a metáfora:
Eu tenho um pé de boldo. Ele fica na janela da área, na parte de dentro, numa prateleirinha.
Mas se você o vir, ele está total e absolutamente pendurado para fora da janela. O vaso em cima da prateleira quase cai lá embaixo porque ele força os galhos totalmente para fora: ele quer luz, sol e água.
A vocação dele é a natureza.
E hoje, todo inclinado para fora, ele está parecendo uma árvore de natal.
As folhas verdinhas estão com gotículas da água da chuva penduradas nelas, como se fossem bolinhas de brilhante.
É um espetáculo e tanto.
Ele é um pé de boldo, quer a terra, a luz e a água e mesmo fora do seu habitat natural, não pode deixar de ser quem é. Luta bravamente em busca daquilo que possa deixá-lo mais perto da sua essência.
E não se entrega, dia a dia se inclina mais, para ser o mais próximo possível do que verdadeiramente é !! E quanto mais boldo ele é tanto mais belo ele fica!
SJ

sábado, 21 de setembro de 2013

"

Pare Este Trem

Não, não sou daltônico
Sei que o mundo é preto e branco
Tento manter uma mente aberta
Mas simplesmente não consigo dormir esta noite

Pare este trem
Quero sair
E voltar pra casa de novo
Não consigo suportar a velocidade em que ele se move
Sei que não consigo
Mas, honestamente, ninguém vai parar este trem?

Não sei como dizer isso de outro jeito
Não quero ver meus pais partirem
Uma geração se distância
De lutar pela vida por conta própria

Pare este trem
Quero sair
E voltar pra casa de novo
Não consigo suportar a velocidade em que ele se move
Sei que não consigo
Mas honestamente, ninguém vai parar este trem?

Tanto medo de envelhecer
Sou bom somente em ser jovem
Então brinco com o jogo dos números
Pra descobrir um jeito de dizer que a vida acabou de começar

Tive uma conversa com meu velho
Disse - "me ajude a entender"
Ele disse - "chegue aos 68,
Você renegocia"

"Não pare este tem
Nem por um minuto mude o lugar onde você está
Não pense que eu não poderia entender
Tentei
John, honestamente, nós nunca iremos parar este trem"

De vez em quando, quando tudo estiver bem
Você sentirá como se tudo fosse como é pra ser
E todos eles ainda estão ao redor
E você ainda está são e salvo
E você não perde nada
Até chorar enquanto dirige para longe na escuridão
Cantando

Pare este trem
Quero sair
E voltar pra casa de novo
Não consigo suportar a velocidade em que ele se move
Sei que não consigo
Porque agora vejo que nunca vou parar este trem "

J.M

domingo, 7 de julho de 2013

7 de Julho de 2013- Nove anos sem mamãe



O dia 7 de julho era um dia de inverno-azul,  como todos os dias de Julho no Rio de Janeiro.
Mas a partir de 7 de Julho de 2004 ele mudou. Recebeu uma carga histórica definitiva, pois foi o dia que mamãe morreu.
 A morte da minha mãe  mudou a Stella por completo: reconfiguração.

Eu e Mario estamos aqui falando dela, e relembrando todas as coisas boas que ela fazia e a pessoa única que ela era.

Ele disse: '"..sua mãe era rápida, criava conexões rápidas. Me viu pela primeira vez e me senti 'em casa', acolhido, amado. Ela tinha essa capacidade de 'afetar ' as pessoas rapidamente. Com um sorriso, com uma palavra, com um gesto simples e acolhedor, com o olhar."

"Conexões rápidas"... gostei disso , e completaria.."rápidas e permanentes".
Se alguém entrasse no raio de atenção da minha mãe, receberia dela, para sempre, a atenção, a preocupação, a oração.

A morte é um ' bicho' chocante, devastador. Não ver mais, não ouvir mais, não sentir mais, não abraçar mais, não achar a pessoa em lugar algum, nunca mais.....

Mas aí vem um sonho..num dia de inverno azul , e ela me aparecesse com um sorriso, um gesto simples e acolhedor, com o olhar terno e diz: "filha, não nos falamos hoje !!"
E eu sinto de novo, num relance, aquela "tal" felicidade....

SJ

sexta-feira, 3 de maio de 2013

'Porca' miséria !

Quase um ano sem postar.
Mas a cabeça fica fervilhando, porque o 'não postar' não significa o 'não pensar'.
A gente recebe muita informação: informação digital, analógica, afetiva, real, surreal ..é uma avalanche.

Escrever é depurar, decantar...e quase não há tempo de digerir as falas, os acontecimentos, os sentimentos produzidos nesse caldo todo da vida...

Mas há muita fala aqui dentro de mim.... há coisas que não devem ser ditas num espaço público universal... mas ao mesmo tempo gritam para sair....

As coisas mais íntimas são aquelas que mais desejamos expressar e ao mesmo tempo são as que mais precisamos guardar...com as sete chaves do silêncio... no profundo do abismo da alma......

...doido paradoxo.... ' porca' miséria !


SJ


sexta-feira, 11 de maio de 2012

http://www.youtube.com/watch?v=n8oRmlzgrWA

" O tempo não pára ! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo " - (M. Quintana)

Passei todo o dia de hoje separando fotos, copiando, e montando um slide que registrasse momentos da minha mãe comigo.

É bom vê-la de novo, em fotos que passam rapidamente, e em segundos consigo ir da infância à maturidade, sempre ao lado dela, em imagens que eternizaram momentos.

Mais poderosa que a imagem é a mente que passa um filme todo o dia para mim,  sorrisos, abraços, conversas, cheiros, toques, cores, lágrimas, músicas...todos os instantes vividos com ela.
Intensos, únicos, inesquecíveis.

Nunca pensei que pudesse viver algo insuperável !!

Suportável, por isso continuo, mas insuperável !!

SJ




segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Messi







Estou acompanhando o campeonato Espanhol e ontem assisti Barcelona X Málaga.


Foi um um "concerto para bola, cérebro e pés" por Lionel Messi.



O médico Holandês, Pieter Medendorp, da Universidade de Radboud, na Holanda, quer estudar o cérebro do Messi, para entender como se dá a velocidade das decisões que ele toma: correr, chutar quando(?), encarar os marcadores, chutar depois, com a esquerda, com a direita, por cobertura.(?)



Quer entender a rapidez e a organização da atividade cerebral de Messi, que acontece enquanto ele corre em disparada e tudo se dá numa fração de segundos.



Eu dizia ontem, que é um privilégio assistir, presenciar em tempo real, no meu tempo, um talento raro, fazendo com excelência e de forma única aquilo que lhe é próprio: (no caso) jogar futebol.



Fiquei pensando na felicidade que é quando o talento encontra a oportunidade certa: é uma explosão de mágica, perfeição, transcendência.



E ele, fazendo 3 gols contra o lanterna do campeonato, vibrava como se fosse a conquista do título mundial. Um sorriso juvenil, uma cara de menino, que sabe o que faz , faz o que gosta e faz - gol !!



Eu quero isso- não o dinheiro do Messi, nem a fama, mas a graça de ver o meu talento , o meu dom ,ter hora marcada com a oportunidade , aproveitar e desenvolve-lo de forma plena !!




Assistir o Messi dá em mim um comichão: uma vontade de sair correndo, não perder tempo, e tratar de realizar aquilo que me torna mais Stella, que me é próprio e que vai me trazer o sorriso juvenil, a alegria de ser.



Foi como ver um espetáculo, uma ópera, um concerto, balé, uma grande celebração.




Num momento divino , reverente, Messi me levou à transcendência.


Ave Messi.







domingo, 1 de janeiro de 2012

Um novo olhar sobre as mesmas coisas...























Desenho do artista Yann Dias Ribeiro, meu sobrinho. Ele é um dos maiores ganhos da minha vida. Com ele aprendo a lançar um olhar novo sobre as coisas todas. Através dos olhos do Yann e da Anne aprendo de fato aquilo que achava que já havia aprendido.

----------------------------------------------------------------------------------------




O tempo traz a inexorável lição da perda: um sonho acaba, um projeto dá errado, um querido morre, a aparência juvenil vai se distanciando do espelho cada vez que voce olha.



E voce precisa se adaptar: gerar um novo sonho, começar um novo projeto. Acomodar a dor da perda do querido, se acostumar a viver com saudade todo dia.



Fazer contato e amizade com a nova face no espelho e o novo corpo que a vida te dá, começando a cuidar bem dele, realçando seus melhores pontos e sentir-se bela novamente.



Então voce percebe que está aprendendo. Esse turbilhão todo de vivências só acontece numa aprendizagem diária, doída, bonita.



Até aqui aprendi muito: aprendi a ser mais generosa comigo mesma, a me fazer carinho, me dar afago e colo e a me dizer: segue Stella, está indo bem, nem sempre perdendo, nem sempre ganhando, aprendendo,vai indo bem.....




E aprendendo a ser assim comigo mesma descobri mais facilmente a ser assim com os outros: e daí comecei a ganhar de novo: uma nova família, novos amigos, novos projetos, alguns com o mesmo nome de antes, com a mesma face de antes, mas renovados pelo meu novo olhar.




Adoro aniversário, caminhar e aprender que posso sim conseguir chegar à adulteza, estatura de gente boa , caminhando, ganhando, perdendo, aprendendo!






'.. dEle e por Ele são todas as coisas.... à Ele."